Jornal Diário
Marília,
FacebookTwitterYouTube

Postado em 09/01/2017 às 19:30

Plástico brasileiro no espaço

Categoria: Página 2

Mario Eugenio Saturno

Tecnologista Sênior do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e congregado mariano

 

Um equipamento com grande potencial é a impressora 3D. Surgiu há muitas décadas, mas nos últimos anos tornou-se um equipamento prático para qualquer um. Inclusive para aplicações espaciais.

A impressão 3D parece com uma impressão comum, só que ao invés de injetar tinta em papel, injeta algum material sólido e reinicia o processo para o plano superior sobre o anterior, formando um sólido. Em outras palavras, vai adicionando materiais, camada por camada, até que o produto esteja pronto. Mesmo sendo um processo lento, é muito mais rápido que os processos tradicionais como, por exemplo, o torno mecânico que vai subtraindo camadas até se ter a peça desejada.

Obviamente, a fabricação de protótipos ganhou um aliado fantástico. Mas a evolução das impressoras foi rápida e incrível. Hoje, temos impressoras de alimentos, e mesmo uma impressora enorme que fabrica uma casa, chamada de Apis Cor, de 192 metros quadrados e que consumiu apenas 8kWh para ser construída em apenas um dia. Ou outra impressora que fabrica um carro, a carroceria e os vidros através da impressão 3D, chamado de Urbee, um carro hibrido muito econômico.

A NASA testou a impressora 3D visando reduzir a quantidade de ferramentas e peças necessárias para uma missão espacial, simplificando e melhorando o ambiente para os astronautas em naves espaciais. Surgindo a necessidade de algum produto, basta imprimir. Isso terá grande impacto em uma missão de longo prazo como, por exemplo, para Marte.

A impressora da NASA conseguiu imprimir camada por camada de objetos em voos de baixa gravidade na Terra e seria capaz de reproduzir até peças de metal para máquinas. Assim, a NASA enviou uma impressora à Estação Espacial Internacional (ISS) com grande sucesso.

O que pouca gente deve saber é que a matéria prima da impressora, o Plástico Verde, é feito da cana-de-açúcar e no Brasil. Isso se deve a uma parceria da Braskem, que é a maior produtora de resinas termoplásticas das Américas, com a Made In Space, empresa norte-americana líder no desenvolvimento de impressoras 3D para operação em gravidade zero, a fornecedora da NASA. Essa tecnologia permite a fabricação de peças no espaço em resina de origem renovável, dando mais autonomia às missões espaciais.

O Plástico Verde da Braskem foi escolhido para o projeto por ter flexibilidade, resistência química e ser reciclável. O sucesso obtido na experiência na ISS deu à NASA confiança para definir a impressão 3D no espaço como um dos avanços essenciais para uma eventual missão a Marte, especialmente porque ter a capacidade de imprimir peças e ferramentas sob demanda aumenta a confiabilidade e segurança de missões espaciais.

O Plástico Verde também apresenta um grande impacto ambiental, para cada tonelada de resina de origem renovável produzida, 2,78 toneladas de CO2 são capturados, segundo um estudo da ACV Brasil e com revisão técnica de um painel composto pelo Institute for Energy and Environmental Research GmbH (IFEU) e pela Michigan State.


Comentários

Mais Recentes

Jornal Diário

Rua Coronel Galdino de Almeida, 55
Marília/SP - CEP 17.500-100
Fone (14) 3402-5122
Fax (14) 3402-5125
diario@diariodemarilia.com.br


Jornal Diário
Páginas
Sobre
Anuncie
Assine
Expediente
Contato
Webmail
Cadernos
Polícia
Esporte
Geral
Cultura
Saúde
Página 2
Economia
Carro
Circulando
Dia a Dia
Charge
Classificados
Redes SociaisFacebookTwitterYouTube
Diário-Correio é resultado da fusão ocorrida em 1992 entre o Diário de Marília e Correio de Marília, fundado em 1º de Maio de 1928. Desenvolvido por StrikeOn