Jornal Diário
Marília,
FacebookTwitterYouTube

Postado em 06/01/2017 às 00:10

Painel Diário

Categoria: Página 2

Perto de morrer, Alexandre, o Grande, 

fez três pedidos aos seus ministros:

 

1) Que seu caixão fosse carregado pelos melhores médicos da época.

 

2) Que os tesouros que tinha, fossem espalhados pelo caminho até seu túmulo.

 

3) Que suas mãos ficassem fora do caixão e a vista de todos.

 

Os ministros surpresos perguntaram quais são os motivos?

Ele respondeu:

 

1) Eu quero que os melhores médicos carreguem meu caixão, para mostrar que eles não têm poder nenhum sobre a morte.

 

2) Quero que o chão seja coberto pelos meus tesouros, para que todos possam ver que os bens materiais aqui conquistados, aqui ficam.

 

3) Eu quero que minhas mãos fiquem para fora do caixão, de modo que as pessoas possam ver que viemos com as mãos vazias, e de mãos vazias voltamos.

 

“TEMPO” é o tesouro mais precioso que temos, nós podemos produzir mais dinheiro, mas não mais tempo…

 

O melhor presente que você pode dar a alguém é o seu tempo. Dedique mais do seu tempo para Deus, família e amigos. Feliz dia das pessoas que amamos!

 

—-

Alexandre III Magno ou Alexandre, o Grande, foi rei da Macedônia. Filho do imperador Fellipe II e de Olímpia, princesa de Epiro, nasceu em julho de 356 a.C., na região de Pella, na Babilônia. Ele subiu ao trono aos 10 anos, após o assassinato de seu pai.

Conquistador do Império Persa, ele foi um dos mais importantes militares do mundo antigo. Na infância, Alexandre teve como tutor Aristóteles, que ensinou-lhe retórica e literatura e estimulou seu interesse pelas ciências, medicina e filosofia.

Ele destacou-se pelo brilhantismo tático e pela rapidez com que atravessava grandes territórios. Ainda que valente e generoso, era cruel quando a situação política assim o exigia. Cometeu alguns atos dos quais se arrependeu, como o assassinato de seu amigo Clito em um momento de embriaguez. 

Como político e dirigente, teve planos grandiosos. Segundo alguns historiadores, elaborou um projeto de unificar o Oriente e o Ocidente em um império mundial. Acredita-se que cerca de 30 mil jovens persas foram educados na cultura grega e em táticas militares macedônicas, sendo aceitos no exército de Alexandre. Ele também adotou costumes persas e casou com mulheres orientais: Estatira ou Stateira, filha mais velha de Dario, e com Roxana, filha do sátrapa Bactriana Oxiartes. Além disso, subornou seus oficiais para que aceitassem mulheres persas como esposas.

Para unificar suas conquistas, Alexandre fundou várias cidades ao longo de seus territórios, muitas das quais se chamaram Alexandria em sua homenagem. Essas cidades eram bem situadas, bem pavimentadas e contavam com bom serviço de abastecimento de água. Eram autônomas, mas sujeitas aos editos do rei. Os veteranos gregos de seu exército, bem como os soldados jovens, negociantes, comerciantes e eruditos, se instalaram nelas, levando consigo a cultura e a língua gregas. 

Assim, Alexandre estendeu amplamente a influência da civilização grega e preparou o caminho para os reinos do período helenístico e para a posterior expansão de Roma.

Comentários

Mais Recentes

Jornal Diário

Rua Coronel Galdino de Almeida, 55
Marília/SP - CEP 17.500-100
Fone (14) 3402-5122
Fax (14) 3402-5125
diario@diariodemarilia.com.br


Jornal Diário
Páginas
Sobre
Anuncie
Assine
Expediente
Contato
Webmail
Cadernos
Polícia
Esporte
Geral
Cultura
Saúde
Página 2
Economia
Carro
Circulando
Dia a Dia
Charge
Classificados
Redes SociaisFacebookTwitterYouTube
Diário-Correio é resultado da fusão ocorrida em 1992 entre o Diário de Marília e Correio de Marília, fundado em 1º de Maio de 1928. Desenvolvido por StrikeOn