Jornal Diário
Marília,
FacebookTwitterYouTube

Postado em 10/08/2016 às 16:36

Disponibilidade de plaquetas para pacientes com câncer preocupa

Pacientes com câncer e hemopatias recebem, em média, oito unidades com 60 ml cada; número de doadores de sangue tem que aumentar 30%

Categoria: Saúde

CARLOS RODRIGUES

O volume de doações de sangue no Hemocentro da Faculdade de Medicina de Marília (Famema) precisa aumentar. Em média são coletadas 42 bolsas por dia. O ideal é que fossem 60. A diferença entre demanda e contribuições gera, atualmente, baixa disponibilidade de plaquetas usadas principalmente por pacientes com câncer e hemopatias.

A curto tempo de validade desse material (5 dias) aumenta a necessidade de doações regulares de todos os tipos sanguíneos. As plaquetas, formadas pela medula óssea, estão entre os componentes do sangue e sua principal função é a formação de coágulos.

Uma pessoa normal tem entre 150.000 e 400.000 plaquetas por milímetro cúbico de sangue. Sua diminuição ou disfunção pode levar a sangramentos, assim como seu aumento pode aumentar o risco de trombose. A quimioterapia, necessária para contenção de tumores, é uma das causas de redução desse componente.

O assistente social Rafael José da Silva explica que em cada doação de sangue é possível extrair 60 ml de plaquetas. Um paciente recebe, em média, oito unidades, por isso o número de doadores precisa ser maior, sobretudo em função da curta validade desse tipo de material.

Ele afirma que não chega a haver um estoque, mas um processamento programado, para evitar a falta. “Em alguns momentos fica muito complicado e precisamos intensificar a coleta. Se as doenças aumentassem regularmente haveria maior segurança”, alerta.

Nesta terça-feira (10) o tipo sanguíneo O- tinha a menor disponibilidade no hemocentro de Marília. Silva explica que isso ocorre porque os receptores dessa variedade só podem receber do mesmo tipo, limitando as alternativas.

Para doar, é necessário estar em boas condições de saúde. Em relação à idade, estão liberados adolescentes a partir de 16 anos (com autorização dos pais) e idosos com até 69 anos (desde que a primeira doação tenha sido feita até 60 anos).

O peso mínimo do doador é de 50 quilos; é necessário estar descansado (pelo menos 6 horas de sono nas últimas 24 horas); estar bem alimentado, mas sem ingestão de produtos gordurosos nas quatro horas que antecedem a doação.

Existem impedimentos temporários. O tempo de espera varia de acordo com a situação. Em geral, as causas momentâneas são resfriado, gravidez, amamentação, ingestão de bebida alcoólica, tatuagem ou maquiagem definitiva, situações nas quais há maior risco de adquirir doenças sexualmente transmissíveis e viagens para estados onde há alta prevalência de malária, procedimento endoscópico, extração dentária ou tratamento de canal, cirurgia odontológica com anestesia geral, acupuntura, vacina contra gripe, herpes labial ou genital e herpes zoster. 

SERVIÇO – O Hemocentro de Marília funciona de segunda a sexta, das 7h às 13h. Sábados, domingos e feriados não há expediente, exceto durante campanhas específicas. A unidade fica na rua Lourival Freire, 240, próximo ao Fórum. Os telefones para mais informações são o (14) 3402-1850 e (14) 3402-1744.

Comentários

Mais Recentes

Jornal Diário

Rua Coronel Galdino de Almeida, 55
Marília/SP - CEP 17.500-100
Fone (14) 3402-5122
Fax (14) 3402-5125
diario@diariodemarilia.com.br


Jornal Diário
Páginas
Sobre
Anuncie
Assine
Expediente
Contato
Webmail
Cadernos
Polícia
Esporte
Geral
Cultura
Saúde
Página 2
Economia
Carro
Circulando
Dia a Dia
Charge
Classificados
Redes SociaisFacebookTwitterYouTube
Diário-Correio é resultado da fusão ocorrida em 1992 entre o Diário de Marília e Correio de Marília, fundado em 1º de Maio de 1928. Desenvolvido por StrikeOn